Sobre a Revista

A proposta desse espaço é que ele se configure como território amplo e aberto para divulgação, informação e debates no que se refere e afeta o ensino de História, conforme os atuais valores e missões da ABEH de estabelecer interlocuções cada vez mais abrangentes e de valorizar o trabalho de professores e professoras de História em todos os níveis e âmbitos de ensino, gestão, pesquisa e divulgação. A intenção é reunir depoimentos e relatos de experiências, produções de estudantes da Educação Básica e do Ensino Superior, debates conceituais no campo do Ensino de História, bem como discutir temáticas de demandas contemporâneas e divulgar projetos e iniciativas pelo Brasil e pelo mundo.
A revista será composta por sete colunas, cada uma contando com uma dupla de curadores/as e coordenada por uma editoria renovada anualmente. Os textos serão publicados quinzenalmente (com ahead of print), a partir de convites da curadoria e também por livre demanda. Os textos deverão estar conformes ao escopo de cada coluna e adequados às normas de formatação, além de respeitar os princípios éticos da Revista. Serão aceitos também diversos formatos de expressão, tais como: textos escritos, vídeos, podcasts, canções, entre outros meios de interação, sempre acompanhados de uma apresentação que contextualize o conteúdo.
Os materiais enviados serão submetidos a uma comissão editorial e a um conselho de consultores que avaliarão criticamente as propostas. Textos bilíngues também serão aceitos, privilegiando a publicação de versões em inglês e em espanhol.
Pretendemos constituir um espaço de divulgação científica em um formato ágil, que atue como um portal de atividades comentadas da área, de troca de experiências de sala de aula, de debate político geral e das políticas públicas para a área em particular. Vislumbra-se a perspectiva de integrar o periódico com as diversas iniciativas de produção de conteúdo no Ensino de História, como os projetos Chão da História, Bate Papo sobre ensino de História, atividades do GT Nacional e dos GTs regionais de ensino de História da Anpuh, laboratórios, grupos de pesquisa, ações de extensão, etc.
Por fim, é importante que os textos e outros materiais sejam provocadores de debates e de ampliação das trocas. Assim, as curadorias podem convidar pessoas para comentar os materiais publicados. Esses comentários poderão aparecer sob a forma de novos textos linkados aos iniciais, de modo a ir criando uma rede de materiais e de discussões. Adicionalmente, os conteúdos também serão divulgados e debatidos nas redes sociais da Abeh.
Propomos sete colunas com escopo definido, que publicarão tanto conteúdos encomendados quanto avaliarão o que for recebido em livre demanda, de modo a garantir a periodicidade semanal, mas que se adaptem às necessidades de discussão e comunicação da nossa comunidade. Cada coluna contará com uma dupla de curadores/as composta por sócias/os da ABEH.
Essa iniciativa da ABEH visa possibilitar, em seu site, a divulgação de trabalhos desenvolvidos no Brasil e no exterior sobre o ensino de história, no formato de divulgação científica. Além disso, o objetivo é amplificar discussões que vão dar sequência aos textos publicados, ou seja, buscamos criar oportunidade de encontros entre todas-os-es que pensam, refletem, pesquisam e mobilizam práticas sensíveis nos mais diversos espaços que envolvem o ensino de história: escolas, espaços culturais e de memória, redes sociais, arquivos, universidades, movimentos sociais, entre outros.
As publicações serão feitas semanalmente com textos, imagens, registros, descrições, lançamentos e informações sobre diversos temas do ensino de história, conforme o escopo de cada coluna. Serão aceitos materiais de docentes e discentes da educação básica assim como do ensino superior e das pós-graduações.

 

Colunas:

Chão da História

Esta coluna tem a intenção de ampliar as repercussões do programa “Chão da História”, constituindo-se em espaço de debate acerca dos temas tratados nos episódios já produzidos e de suas relações com questões candentes. Nesse sentido, tanto as/os convidadas/os do referido programa como profissionais da educação em geral podem contribuir com análises que articulem concepções de educação, experiências curriculares e o ensino de História.

 

Desafios e dilemas da profissão docente

Essa coluna objetiva apresentar pesquisas, reflexões e experiências desenvolvidas no âmbito escolar e não escolar, que sejam resultado de atividades desenvolvidas pelos sujeitos e que possibilitem o processo de formação docente, inicial e/ou continuado. As atividades desenvolvidas em Estágio Supervisionado, em espaços escolares e não escolares, oficinas, minicursos e atividades de jogos podem ser sistematizadas e apresentadas como potencial de reflexões sobre a formação docente. A coluna está aberta para as diferentes perspectivas teórico-metodológicas que dialogam com este processo formativo e que fundamentam o ensino de História nos múltiplos espaços e nas mais variadas modalidades.

 

Provocações

A coluna propõe debates teórico-metodológicos que tenham como pauta a transversalidade entre teorias, reflexões e práticas no ensino de História. Cada publicação será composta de pelo menos dois textos escritos por pessoas com pontos de vista distintos sobre o assunto em foco.

 

Vice-versa

Espaço para divulgação de pesquisas desenvolvidas no âmbito dos Programas Profissionais de Pós-Graduação que refletem sobre o ensino de história. Convidamos aos docentes pesquisadores da Educação Básica que orientam sua práxis pela relação indissociável entre ensino-pesquisa, e vice-versa, a divulgarem seus trabalhos nesta coluna. Há espaço também para textos que se proponham a refletir sobre as singularidades destes programas e suas reverberações nos quefazeres da sala de aula de História e no debate sobre a elaboração dos saberes históricos escolares.

 

Trajetórias dialogadas

Entrevistas dedicada à velha guarda das-os-es pesquisadoras-es do campo do Ensino de História .

 

Rizoma de ações

Divulgação de eventos, palestras, entrevistas, lives, podcast etc, de âmbito regional e/ou nacional, do campo do Ensino de História. Cada evento divulgado deve ser acompanhado de um texto que o apresente e o descreva, bem como de um card e/ou o de seu link de acesso. Rizoma de ações significa pensar em como os diversos eventos de Ensino de História podem se conectar e dar consistência ao campo, sem que percam suas especificidades, já que um rizoma, de acordo com Deleuze e Guattari, se conecta, se multiplica e se fortalece pelas alianças que produz.