Como tornar o caminho do estudante negro suave?

A construção de uma narrativa antirracista no ambiente escolar.

Autores

Palavras-chave:

Mulheres negras na história, história local como estratégias de ensino, educação antirracista, ensino de história, implementação da lei 10639-03

Resumo

O caminho para um estudante negro não costuma ser um caminho nada suave na educação escolar, no entanto, está em nossas mãos as ferramentas para transformarmos esse caminho. A proposta desse texto é descolonizar as mentes daqueles que lerem, é mostrar a beleza da ancestralidade africana através de três personagens na história local.

A primeira, Tereza de Benguela, que, no século XVIII, liderou o Quilombo do Quariterê em Mato Grosso por mais de 20 anos. A segunda, Mãe Bonifácia, uma grande curandeira, que herdou de seus ancestrais a sabedoria e o conhecimento das plantas e, além de curar seus irmãos, também os auxiliava nas fugas, viveu em Cuiabá – MT no século XIX, por fim Maria Taquara, que foi chamada transgressora por usar calça. Viveu em Cuiabá no período de muita restrição às mulheres, no período da chamada “Era Vargas”, inteligente e corajosa quebrou paradigmas em uma sociedade racista e machista.

É possível nos munirmos de ferramentas para combater os discursos eurocêntricos tão fortemente presentes na escola. É importante que a educação possibilite aos estudantes negros re(construírem) sua identidade de forma positiva, não obstante, para que isso aconteça é importante que o professor ou professora lance mão de conhecimentos, pesquisas que possibilite a construção de uma contra narrativa antirracista no ambiente escola

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2021-07-09

Como Citar

Soares dos Santos, C. . (2021). Como tornar o caminho do estudante negro suave? : A construção de uma narrativa antirracista no ambiente escolar. Palavras ABEHrtas, (1). Recuperado de https://palavrasabehrtas.abeh.org.br/index.php/palavrasABEHrtas/article/view/18

Edição

Seção

Acontece nas escolas